Notícias

FIEMG realiza webinar sobre as práticas de desenvolvimento sustentável com participação de headers do Inter e PifPaf

Especialistas dão dicas para a integração entre ODS e ESG nas empresas

Reprodução/ Teams

Mais do que palavras, ações concretas. Mais do que planejamento para o futuro, estratégias que são executadas no presente. Essa é a grande mensagem levantada no webinar (seminário virtual) “Integração entre ODS e ESG nas Empresas”, promovido gratuitamente pela FIEMG nessa quarta-feira (20), com participação de representantes do banco Inter e da Pif Paf Alimentos, acompanhados por mais de 100 participantes.

As siglas ODS e ESG são importantíssimas. Na prática, elas trazem um conjunto de ações ambientais, sociais e de governança que, se aplicadas, garantirão a continuidade da vida humana saudável na Terra. ESG (Environmental, Social and Governance, no inglês) ou ASG, referindo-se à Ambiental, Social e Governança, em português.

“O ESG traz um pensamento disruptivo: da parte ambiental, as empresas precisam racionar os recursos naturais, e pensar em maneiras sustentáveis de utilizá-los. Na governança, pensar menos em lucro e mais nos impactos socioambientais das suas atividades. E, no social, pensar mais na saúde e na qualidade de vida dos funcionários e da comunidade, bem como em seus impactos”, explicou o coordenador de meio ambiente da FIEMG, João Vitor Teixeira.

Já os ODS são os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável. Eles são 17 propósitos que fazem parte da Agenda 2030 - um compromisso que apresenta os principais desafios e vulnerabilidades da sociedade e do planeta para que alcancemos um desenvolvimento que seja, de fato, sustentável.

“São 17 objetivos e 169 metas para erradicar a pobreza, proteger o planeta e garantir que todas as pessoas tenham paz e prosperidade. É um desafio a nível mundial para encontrar o desenvolvimento sustentável. Essa agenda só será cumprida se todos os atores da sociedade contribuírem, como o governo, iniciativa privada, sociedade civil e todos nós como cidadãos responsáveis por nossas atitudes”, declarou a analista de responsabilidade social da FIEMG, Lívia Moraes.

PifPaf

O seminário on-line trouxe a apresentação dos convidados Christiano Rohlfs Coelho, gestor de sustentabilidade empresarial do Grupo Inter, e Breno Aguiar de Paula, coordenador de sustentabilidade da Pif Paf Alimentos.

Os especialistas lembraram a importância do comprometimento das empresas com a Agenda 2030, tanto para a sobrevivência dos negócios e da sociedade, quanto para o aumento de competitividade das mesmas sobre os demais concorrentes na atualidade.

Breno explicou que a Rio Branco Alimentos, dona das marcas Pif Paf, Fricasa, Ladelli, Flip e Pescanobre, quer tornar-se uma empresa de capital aberto e, para tanto, trabalha em diversas ações que impactam diretamente os clientes, os fornecedores, os animais e o meio ambiente.

“Assumimos o propósito que é a nossa receita para o amanhã, norteadas pelos seguintes ODS: Água e Saneamento (ODS 6), Emprego Digno (ODS 8), Produção e Consumo Sustentáveis (ODS 12) e Indústria, Inovação e Infraestrutura (ODS 9), que ocupam espaço de centralidade na mandala de relevância da PifPaf Alimentos”, explicou Breno. Entre os compromissos em andamento, está a redução de 60% no consumo de energia elétrica até 2030; e de 22% no consumo de água em relação a 2020 também até 2030, além da execução de 100% das agendas de diversidade e de bem-estar animal.

Breno declarou que, pelo terceiro ano seguido, a marca recebeu o selo Mais Integridade, oferecido pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), com o propósito de fomentar, reconhecer e premiar práticas do agronegócio sob a ótica da responsabilidade social, sustentabilidade, ética e empenho para a mitigação das práticas de fraude, suborno e corrupção.

Grupo Inter

O gestor de sustentabilidade empresarial do Grupo Inter, Christiano Rohlfs Coelho, explicou que a palavra que sintetiza o maior desafio da sustentabilidade e, ao mesmo tempo, o “segredo” para o alcance das propostas é o engajamento das lideranças, dos clientes, dos investidores, dos vizinhos, e de todos. Segundo ele, o trabalho precisa ser feito com estratégia. “Sustentabilidade é a habilidade de se sustentar. Sem estratégia não há longevidade”, disse.

De acordo com Rohlfs, o grupo atua com o InterSustentável para ser considerada a plataforma de tecnologia mais sustentável do país. Alguns dos propósitos já alcançados, conforme o representante da empresa, é o Modelo de Negócio Ecoeficiente, estudo interno que apontou que o Inter emite consideravelmente menos carbono, consome menos energia e água, quando comparado com a média dos cinco principais bancos em atuação no país. A pesquisa foi feita com base em dados por milhão de clientes de cada uma das empresas.

“A inclusão da temática Sustentabilidade na estratégia do Inter abre oportunidades, melhorando tanto o nosso impacto interno quanto externo. Seja com a redução do papel, com o aprimoramento da diversidade de um setor, ou num produto que está sendo lançado, para que ele seja mais inclusivo. O papel das empresas na sociedade hoje e no futuro é o capitalismo consciente”, concluiu Rohlfs.

Últimas notícias

  1. Evento marca reabertura do Clube Campestre do SESI em Juiz de Fora

    Leia

  2. ‘O Espírito do Natal’ encerra comemoração de 35 anos da Orquestra SESIMINAS

    Leia

  3. Movimentos que libertam a alma

    Leia

  4. SESI é o vencedor do Prêmio Fornecedores de Destaque

    Leia

  5. Escolas de Cultura SESI realizam mostra de encerramento 2021

    Leia

  6. SIPROCIMG faz balanço do ano e confraternização no Centro 4.0

    Leia

  7. O valor do ESG para o futuro sustentável

    Leia

  8. Minascon: estrutura de palitos aguenta 50kg e vence concurso 'A Ponte'

    Leia