ORQUESTRA SESIMINAS Apresenta Passeio pela Ópera

ORQUESTRA SESIMINAS Apresenta Passeio pela Ópera

Data

28/07/2022

Ingressos *

Comprar ingressos

Adquira AQUI seu ingresso

Horário

20h30

Local

Teatro SESIMINAS BH


Sobre o Evento

Orquestra Sesiminas apresenta “Passeio pela Ópera”

Concerto apresenta árias de óperas consagradas, de compositores como Verdi,Rossini, Puccini, Gounod, Mascagni, Bizet e Johann Strauss.

A apresentação acontece no dia 28 de julho (quinta), às 20h30, no Teatro Sesiminas.

 

No dia 28 de julho, quinta-feira, a Orquestra Sesiminas apresenta “Passeio pela Ópera”. O concerto reúne árias de óperas consagradas, dos italianos Rossini, Puccini, Mascagni e Verdi; dos franceses Gounod e Bizet; e do austríaco Johann Strauss. Para interpretar as diferentes árias, o concerto conta com a participação de quatro cantores. A regência e direção artística são de Felipe Magalhães. A apresentação integra a temporada 2022 da Orquestra Sesiminas, e começa às 20h30, no palco do Teatro Sesiminas. Classificação indicativa: livre. Duração: 60 minutos.

 

“Resolvemos criar um concerto que pudesse trazer ao público, de uma só vez, alguns dos mais consagrados números do gênero operístico, proporcionando os mais variados sentimentos, sob a sonoridade de quatro diferentes timbres vocais”, explica Felipe Magalhães, regente e diretor artístico da Orquestra Sesiminas.

A soprano Fabíola Protzner interpreta a Habanera, da Ópera Carmen, de Bizet. “Cantar Habanera, dar vida à ária mais conhecida da Carmen, é um desafio e um prazer muito grande pra qualquer cantora. Porque ali eu vou poder, não só utilizar diferente timbres e coloridos na voz, como também trabalhar a minha parte atriz, tentando, de certa forma, seduzir todo o público”, afirma a cantora. Além de Habanera, Fabíola irá executar a célebre Ave Maria, de Pietro Mascagni.

 

Já o tenor Rogério Francisco interpretará duas das mais conhecidas árias de Puccini, ambas declamadas por personagens apaixonados. Che Gelida Manina, da Ópera La Bohème e Nessum Dorma, de Turantot. “Puccini é um compositor central da Ópera Italiana. E é uma honra interpretar duas árias que, de certa forma, até se destacam das óperas às quais elas pertencem, adquirindo vida própria ao longo do tempo”, observa Rogério.

 

O francês Charles Gounod e o austríaco Johann Strauss marcam presença na voz da soprano leggero Camila Corrêa. De Gounod, a ária Je Veux Vivre traz toda a alegria e jovialidade que a personagem Julieta experimenta nas primeiras cenas do clássico shakespeariano. Já sobre a Mein Herr Marquis, da ópera O Morcego, de J. Strauss, a cantora comenta: “Foi uma das primeiras árias em alemão que eu trabalhei, especificamente para o meu tipo de voz (soprano leggero com coloratura), tendo, além das questões técnicas de leveza e agilidade, a necessidade de mostrar toda a ironia que pede a personagem”.

 

 O timbre forte e potente de barítono também encontra espaço no concerto, na voz de Pedro Vianna, que interpreta aquela que é talvez a mais famosa ária dedicada a essa tecitura: Largo al factótum, do célebre personagem Fígaro, do Barbeiro de Sevilha de Rossini. “É uma responsabilidade enorme! Uma das árias mais difíceis do repertório de barítono. Um personagem bastante cômico, que entra na história da ópera já cantando essa ária e que exige bastante habilidade e domínio técnico”, explica o cantor. Da comédia, Pedro Vianna passa para a tragédia, com Di Provenza il mar il suol, de La Traviata de Verdi. “Trata-se de um momento profundo da história de La Traviata. Um diálogo de pai pra filho, que exige muito equilíbrio emocional e técnico”, ressalta Pedro Vianna.

 

Além dos cantores, a orquestra recebe o percussionista Gustavo Brito e o pianista compositor e arranjador Fred Natalino, que também assina os arranjos das árias.

 

Como não poderia deixar de ser, o concerto começa com uma Abertura de Ópera, no caso, da obra de W. A. Mozart: La Clemenza di Tito, ópera composta durante o último ano de vida do compositor austríaco, em apenas 18 dias! Além desta abertura, a Orquestra interpreta outra peça instrumental: A Melodia de Orfeu e Eurídice, da obra de C. W. Gluck.

Para fechar esse belo passeio pela ópera, os quatro cantores se reúnem com a Orquestra, percussionista e pianista para cantarem juntos o consagrado coro “Va, pensiero”, do Nabucco de Verdi.

“Trata-se de um verdadeiro louvor à Ópera, gênero que explora os mais variados afetos humanos e que reúne música e poesia com o objetivo de tocar os corações das pessoas. Quem estiver presente certamente irá se emocionar!”, garante o maestro Felipe Magalhães.

 

PROGRAMA DO CONCERTO

Título: Passeio pela Ópera

W. A. Mozart (1756 – 1791)

Abertura da Ópera La Clemenza di Tito  (5´)

G. A. Rossini (1792 – 1868)

Largo al factotum de la città (da Ópera O Barbeiro de Sevilha)  (4´) 

Barítono: Pedro Viana

C. F. Gounod (1818 – 1893)

Je veux vivre (da Ópera Romeu e Julieta)  (3´) 

Soprano ligeiro: Camila Correa

Giacomo Puccini (1858 – 1924)

Che gelida manina (da Ópera La Bohème)  (4´) 

Tenor: Rogério Francisco

Pietro Mascagni (1863 -1945) / P. Mazzoni

Ave Maria (Intermezzo da Ópera Cavalleria Rusticana)   (4´)

Soprano: Fabiola Protzner

C. W. Gluck (1714 – 1787)

Melodia de Orfeu e Eurídice (da Ópera Orfeo ed Eurudice)  (3´)

Violino solo: Elias Barros

Giuseppe Verdi (1813 – 1901)

Di provenza il mar il suol (da Ópera La Traviata)  (5´) 

Barítono: Pedro Viana

Johann Strauss (1825 – 1899)

Mein Herr Marquis  (da Ópera O Morcego)  (3´) 

Soprano ligeiro: Camila Correa

Giacomo Puccini (1858 – 1924)

Nessum dorma (da Ópera Turandot)   (3´)

Tenor: Rogério Francisco

Georges Bizet (1838 – 1875)

Habanera (da Ópera Carmen)  (5´) 

Soprano: Fabiola Protzner

Giuseppe Verdi (1813 – 1901)

Va, pensiero (da Ópera Nabucco)   (5´)  

Quarteto: Camila Correa, Fabiola Protzner, Pedro Viana e Rogério Francisco

 

FICHA TÉCNICA

ORQUESTRA SESIMINAS

Regência e direção artística: maestro Felipe Magalhães

Solistas convidados: Camila Corrêa (soprano leggero), Fabíola Protzner (soprano), Pedro Vianna (barítono) e Rogério Francisco (tenor).

Violinos primeiros: Elias Barros (Spalla), Ravel Lanza, Vitor Dutra, William Barros,

Henrique Rocha e Hozana Barros.

Violinos segundos: Simone Martins, Gláucia Borges, Olivia Maia, Filipi Sousa e Olga Buza.

Violas: Cleusa Nébias, Gláucia Barros, Alex Evangelista e Claudison Benfica

Violoncelos: João Cândido, Firmino Cavazza e Antônio Viola

Contrabaixo: Thiago Santos, Filipe Costa

 

ORQUESTRA SESIMINAS

Por iniciativa pioneira de Nansen Araújo, presidente da FIEMG à época, nasce em 1986 a Orquestra de Câmara SESIMINAS, com o objetivo maior de garantir ao trabalhador da indústria mineira e a seus dependentes o acesso à música orquestral de qualidade. Sob a direção artística do Maestro Marco Antônio Maia Drumond, a Orquestra sempre prezou, desde o início, pela qualidade técnica de seus músicos. Junto a essa preocupação técnica, empreendeu-se um incansável trabalho de formação de público dentro de indústrias e escolas, através de concertos de caráter didático e concertos comentados, com uma escolha de repertório cuidadosamente feita no sentido de aproximar o público à música orquestral de câmara. Durante seus mais de 35 anos de história, a Orquestra SESIMINAS já conta com mais de 1.100 concertos, realizados em pátios de fábrica, canteiros de obras, espaços públicos, hospitais, escolas, além das melhores salas de concerto da capital e de todo o Estado de Minas Gerais.

 

O alto nível técnico, aliado à preocupação na aproximação com o público, fizeram da Orquestra um dos grupos mais versáteis do país, atuando de maneira efetiva tanto no âmbito da música erudita, quanto popular. A excelência e seriedade profissional do grupo, sempre comandado pelo Maestro Marco Antônio Maia Drumond, foram ressaltadas pelo maestro Edino Krieger, os violinistas Cláudio Cruz e Paulo Bosísio, o violoncelista Antonio Meneses e o pianista Nelson Freire. O sucesso e o respeito conquistados no âmbito da música erudita levaram à criação, em 2016, da Série de Concertos Sempre às Quartas. Por ela, passaram os mais renomados músicos brasileiros, como Antônio Meneses, Arthur Moreira Lima, duo Assad, João Carlos Martins entre outros. Também não faltaram estrelas internacionais como o harpista Sacha Boldachev e o saxofonista Sergey Kolosov (ambos russos) o pianista ítalo-francês Gabriel Gorog, o regente polonês Jaroslaw Lipke e o Trio coreano Kim.

No campo popular, a Orquestra Sesiminas atuou ao lado de Milton Nascimento, Diogo Nogueira, Vander Lee, Maria Gadu, Skank, Jota Quest, Mônica Salmaso entre outros. Participou de turnês nas principais cidades do Estado com Flávio Venturine e as bandas Skank e Jota Quest.  A Orquestra tem quatro álbuns gravados: Aquarelas (1996), Sortilégios da Lua (1999), Alma Brasileira (2004) e Orquestra de Câmara SESIMINAS e Jota Quest ao vivo (2015). Por essa longa trajetória de sucesso, a Orquestra SESIMINAS é hoje o mais tradicional grupo orquestral de câmara de Minas Gerais, e um dos mais importantes e respeitados do país, sempre aliando versatilidade a excelência artística. 

Desde 2020, a Orquestra SESIMINAS tem a regência titular e direção artística de Felipe Magalhães.

FELIPE MAGALHÃES - maestro

Felipe Magalhães iniciou seus estudos de piano aos 9 anos de idade, na Fundação de Educação Artística, em Belo Horizonte. Lá estudou também percepção musical, solfejo e contraponto. Em 2008 graduou-se bacharel em regência pela Universidade Federal de Minas Gerais. Em 2009, transferiu-se para a França, onde obteve, em 2011, o “Diploma Superior de Regência Orquestral” da École Normale de Musique de Paris, sob direção de Dominique Rouits e Julien Masmondet. Foi agraciado com a bolsa de estudos do Centre International Nadia et Lili Boulanger, instituição francesa que ajuda estudantes, em música, estrangeiros que se destacam no país. Em seguida, iniciou mestrado em musicologia pela Université Sorbonne Paris IV, obtendo o diploma em 2013 com a menção máxima: “très bien”. Felipe Magalhães foi regente titular do Coral da Escola de Belas Artes da UFMG, do Coral Vozes do Campus e dos Corais Juvenil e Adulto do Instituto Cultural Inhotim, entre outros. Atualmente, Felipe Magalhães é diretor artístico e regente titular da Orquestra Sesiminas, do Madrigal Renascentista e do Coral Acordos e Acordes.

 

 

SERVIÇO

Concerto "Passeio pela Ópera”
Data: 28/07
Horário: 20h30
Ingressos: entre R$ 15 e R$ 30
Local: Teatro SESIMINAS - Rua Padre Marinho, 60, Belo Horizonte
Ingressos à venda no Sympla ou na bilheteria do Teatro. 


Comentários

Ao comentar você concorda com os nossos Termos e condições de uso.

Termos e Condições de Uso


O site do Centro de Cultura Centro Cultural SESIMINAS é um canal aberto ao público que possibilita e compartilhamentos, desde que estes estejam de acordo com a presente política de uso e que as mensagens não contenham conteúdo que se enquadrem nos seguintes casos:

Contenham qualquer material discriminatório, de caráter ofensivo, ilegal, preconceituoso, que incite violência ou que ofenda raça, origem nacional, etnia, religião, sexo e orientação sexual;

Contenham ameaças, perjúrio, calúnia, injúria, difamação ou qualquer conteúdo inapropriado que viole a legislação brasileira;

Contenham textos, fotos, imagens, vídeos de teor pornográfico, violento, rude, grosseiro, obsceno e vulgar ou qualquer outro conteúdo que seja ofensivo ou prejudicial a usuários menores de idade;

Ofendam ou difamem o SESI-MG, seus funcionários e usuários. Somente neste caso o comentário será excluído imediatamente.