Notícia

Congresso de Direito Empresarial tem “aula” de ex-ministro da Fazenda

Maílson da Nóbrega fala sobre “Segurança Jurídica e Desenvolvimento Econômico”, em evento concorrido na FIEMG

Fotos Sebastião Jacinto Júnior

A ideia de que a segurança jurídica é importante para impulsionar a economia é mais antiga do que muita gente imagina. Já no século 18, em 1776, o filósofo e economista britânico Adam Smith provou que a segurança jurídica era fundamental para a prosperidade, para o desenvolvimento. Com essas ponderações históricas e, ao mesmo tempo, atuais, o ex-ministro da Fazenda (de janeiro de 1988 a março de 1990) Maílson da Nóbrega abriu, nesta quinta-feira, uma das conferências do 1º Congresso de Direito Empresarial, que integra o projeto Imersão Indústria, da FIEMG.

Economista reconhecido internacionalmente, Nóbrega discorreu sobre “Segurança Jurídica e Desenvolvimento Econômico”, quando apontou que, “no Brasil, grande parte da causa do baixo crescimento econômico pode ser atribuída à insegurança jurídica”.

Ele apontou, ainda, o sistema tributário do país como uma importante fonte de redução do avanço econômico, principalmente, sobre o consumo, a que são aplicadas cinco “ocorrências”, cinco tipos de impostos diferentes. “Isso implica na necessidade de reformas que coloquem o sistema tributário brasileiro mais próximo dos padrões internacionais”, observou.

O ex-ministro ponderou também que a insegurança jurídica – que, em sua avaliação, passa pela manutenção da independência do Poder Judiciário –afasta investimentos, em geral, especialmente os internacionais, e impacta na taxa cambial.

 

Processo inflacionário

Em uma verdadeira aula de Economia e Política, Maílson da Nóbrega considerou que o mundo vive um processo inflacionário sem precedentes, em decorrência da pandemia de Covid-19 – com os primeiros casos identificados ao final de 2018, na China – e do conflito entre Rússia e Ucrânia.

O especialista explicou que os preços do petróleo, dos combustíveis, estão entre os principais fatores que contribuem para este cenário de inflação, e que, o Brasil, ainda que produza petróleo em quantidade suficiente para o consumo interno, não tem como evitar a prática desses preços internacionais. “Qualquer commodity tem que seguir os preços internacionais. É a Lei do Consumo Único”, detalhou.

“Infelizmente, no Brasil, o setor mais atingido neste ano será a indústria, com previsão de queda de 1,3% no crescimento, em razão das taxas de juros praticadas. O setor agropecuário deverá crescer 1%, em função da safra, e, para o de serviços, projeta-se avanço de 0,6%, motivado pela retomada de atividades paralisadas ao longo da pandemia”, observou.

Mailson-3.jpg

Juros

A expectativa, disse ainda o ex-ministro, é de que o Comitê de Política Monetária (Copom) do Banco Central aumente os juros em mais 0,5% em junho, elevando a taxa básica (Selic) para 13,25%. Esse tipo de medida é necessária, afirmou, como tentativa de evitar efeitos secundários à inflação nos próximos anos.

 No campo institucional, Nóbrega frisou que o Brasil tem uma democracia consolidada, com 36 anos de estabilidade política; dispõe de um Judiciário independente; investigação autônoma da corrupção, tem uma imprensa livre, competitiva e agressiva; disciplina de mercado; e garantia de voto a toda a população.

No mundo dos negócios, o ex-ministro ressaltou o que chamou de resiliência da economia brasileira, com agronegócio e setor mineral competitivos; ausência das vulnerabilidades do passado – crises bancária e cambial; um sistema financeiro sólido e sofisticado; e contas externas saudáveis – “o Brasil é credor internacional líquido”. Como novidade neste cenário, ele evidencia os “unicórnios”, as startups de peso, que já passam de 20 no país.

Serviço:

1º Congresso de Direito Empresarial

Palestra de encerramento com o presidente do Supremo Tribunal Federal (STF), Luiz Fux

Sexta-feira (20/5), às 9h

No Teatro do Centro Cultural SESIMINAS (Rua Padre Marinho, 60, Santa Efigênia), em Belo Horizonte

Luisana Gontijo

Imprensa FIEMG

Últimas notícias

  1. FIEMG Jovem debate novos modelos de negócios

    Leia

  2. Off-site como tendência das construções do futuro

    Leia

  3. Aeroporto Internacional de Belo Horizonte impulsiona indústria e economia

    Leia

  4. CIEMG: diretrizes de trabalho para nova gestão

    Leia

  5. Curso sobre prospecção de clientes marca a retomada das atividades do setor de Rochas Ornamentais em Uberaba

    Leia

  6. Saúde em foco: tudo sobre diabetes pra você

    Leia

  7. FIEMG vai realizar 2ª Capacitação Política

    Leia

  8. Denise Fraga diz que peça em cartaz no SESIMINAS convoca à empatia

    Leia